Câncer de Colo de Útero

O Câncer de Útero é o terceiro tumor mais frequente entre as mulheres e a quarta causa de morte feminina por câncer no Brasil.

Conhecido também como cervical, o câncer de útero é causado por uma infecção genital persistente pelo Papilomavírus Humano (HPV), transmitido por meio de relações sexuais sem nenhuma proteção.

Esse tipo de infecção é muito comum, mas maioria das vezes não causa o câncer. Em alguns casos, podem ocorrer alterações celulares que poderão evoluir futuramente para o câncer. Pelo exame preventivo, conhecido como Papanicolau, são descobertas facilmente estas alterações das células, que são curáveis em quase todos os casos.

SINTOMA

Na fase inicial. a doença pode se desenvolver sem sintomas. Já em quadros mais avançados, os sintomas podem evoluir para sangramento vaginal intermitente ou secreção vaginal anormal (após a relação sexual) e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais.

FATORES DE RISCO E PREVENÇÃO

Como forma de prevenção, a rede pública de saúde (SUS) passou a disponibilizar vacina contra HPV para meninas de 9 a 11 anos. Tal vacina previne contra quatro tipos do vírus do HPV e é aplicada em três doses: a segunda seis meses após a primeira, e a terceira, cinco anos mais tarde.

A vacina também pode ser tomada por mulheres de outras idades em clínicas particulares. A imunização máxima é conferida a mulher que ainda não teve atividade sexual. Mas a adoção da vacina não substitui o uso de preservativos e o exame preventivo periódico.

A variedade de parceiros e a atividade sexual precoce são apenas alguns dos principais fatores de riscos, sabendo que a infecção pelo vírus é a principal causa para o surgimento desse tipo de tumor. O contágio também pode ocorrer por meio do contato com a pele da vulva, regiões perineal (situada entre a vulva e o ânus na mulher, e entre o escroto e o ânus no homem), perianal (em volta do ânus) e bolsa escrotal. Deve-se evitar também o tabagismo e o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais.

DIAGNÓSTICO

Há uma fase pré-clínica, quando ainda não há sintomas do câncer, em que a detecção de lesões precursoras (que antecedem o aparecimento da doença) pode ser detectada por meio do exame preventivo (Papanicolaou). As chances de cura na fase inicial é de 100%.

O exame pode ser realizado anualmente ou a cada três anos, caso o resultado seja negativo para o HPV e se os resultados estiverem normais. Ele por ser realizado em posto de saúde da rede pública, e se feito periodicamente permite reduzir a mortalidade pela doença. É indolor, rápido e simples.

Outros tipos de exames que podem ser feitos para realizar o diagnósticos consistem:

Exame físico
Deve incluir palpação do fígado, regiões supraclaviculares e inguinais para excluir metástases quando se estiver diante de doença localmente avançada.
Exame especular
Pode mostrar lesão exofítica, endofítica, ulcerativa ou polipóide.
Colposcopia e biópsia dirigida
Tem a finalidade de delimitar a extensão da doença no colo e na vagina e a segunda, a confirmação do diagnóstico.
• Raios X de tórax
• Ultrassonografia abdominopélvica
• Ressonância magnética

Entre outros exames.

FONTES: Fundação do Câncer; Sociedade Beneficente Israelita Brasileira – Hospital Albert Einstein; INCA
Voltar