Para que serve o exame de Densitometria Óssea (DMO)


Ao longo da vida, as pessoas enfrentam alterações na massa óssea do corpo. Estima-se que, por volta dos 21 anos, o corpo humano concentre a quantidade máxima de massa óssea, que dura, em média, até os 40 anos.

Para avaliar a densidade mineral dos ossos, existe o exame de Densitometria Óssea (DMO). Ele é essencial para identificar possíveis doenças decorrentes da perda desse tecido.

No exame de Densitometria Óssea, é comparado o resultado da densidade dos ossos com a média para a mesma idade e sexo. Diversos fatores podem ocasionar perda do tecido ósseo. Alguns exemplos são:

  • A menopausa;
  • Doenças crônicas;
  • Sedentarismo;
  • Má alimentação;
  • Anemia;
  • Problemas hormonais;
  • Entre outros.

Para que serve a Densitometria Óssea?

Em resumo, o exame faz a análise da densidade mineral dos ossos e a comparação com a média global dos indivíduos. Com isso, é possível fazer o diagnóstico de doenças que atingem os ossos.

É possível identificar doenças como a osteoporose, a osteopenia, além do risco de fraturas futuras.

A Densitometria Óssea (DMO) é um exame rápido, simples de ser realizado e não invasivo. Durante o procedimento é avaliado:

  • Perda de cálcio nos ossos;
  • Perda de massa óssea;
  • Possíveis fraturas no colo do fêmur;
  • Possíveis fraturas nas vértebras;
  • Riscos de fraturas futuras decorrentes da perda de cálcio e massa óssea.

Como é feito o exame de Densitometria Óssea (DMO)

A Densitometria Óssea é feita por um aparelho denominado densitômetro. O equipamento avalia a densidade mineral dos ossos de determinada região.

O exame pode ser realizado em qualquer parte do corpo. Porém, é comum que seja feito na coluna lombar, no quadril ou fêmur direito. Em outros locais, geralmente é feito com o intuito de avaliar a composição corporal, como massa muscular e gordura.

Confira como o exame é feito:

  1. O paciente coloca uma roupa fornecida pela própria clínica e se deita na mesa do aparelho;
  2. O paciente é posicionado, e precisa ficar completamente imóvel;
  3. O densitômetro começa o escaneamento, que dura de 10 a 30 minutos. É totalmente indolor e emite quantidades mínimas de raio-x;
  4. O aparelho fica afastado e não há fechamento total, assegurando o conforto para o paciente;
  5. As informações do exame são analisadas por um software específico. Os dados captados são transformados em um gráfico, que contém a densidade óssea da parte escaneada;
  6. O médico faz a interpretação e emite um laudo, para que o paciente leve ao profissional que solicitou o exame.

Quem pode fazer o exame de Densitometria Óssea?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o exame de DMO pode ser solicitado nos seguintes casos:

  • Fraturas em geral;
  • Uso de corticoides;
  • Falta de vitamina D no corpo;
  • Doenças inflamatórias intestinais;
  • Quedas frequentes;
  • Osteoporose secundária;
  • Sedentarismo,
  • Artrite reumatoide;
  • Lúpus;
  • Suspeita de osteoporose.

Há contraindicação para grávidas e paraquem possui mais de 120 quilos.

Geralmente, a Densitometria Óssea (DMO) é solicitada por reumatologistas, endocrinologistas, ginecologistas, ortopedistas, e profissionais de outras especialidades.

Já a Densitometria Óssea de Corpo Inteiro, considerada padrão ouro para avaliação da composição corporal, pode ser indicada por uma gama maior de profissionais da saúde.

Alguns dos profissionais que solicitam e estudam esse exame são:

  • Endocrinologistas;
  • Neurologistas;
  • Cardiologistas;
  • Geriatras;
  • Fisioterapeutas;
  • Educadores Físicos;
  • Nutricionistas;
  • Entre outros.


Já fez a sua consulta e precisa realizar um exame de Densitometria Óssea (DMO)? Agende agora mesmo o seu exame!

Atenção! Alguns desses exames não são realizados pela CEDIP. Confira quais exames a Cedip realiza clicando aqui.