Importância da visita anual ao ginecologista

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha e encomendada pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), 20% das mulheres com mais de 16 anos não tem o costume de se consultar com um ginecologista anualmente. Talvez o principal motivo para esse resultado seja a crença de que, se não há sintomas, não há com o que se preocupar. Porém, essa constatação torna os dados ainda mais preocupantes, já que o caráter dessa consulta é justamente preventivo, pois muitas doenças que afetam o sistema reprodutor feminino demoram para apresentar sinais.

Qual é a importância da consulta anual com o ginecologista?

O ginecologista é o profissional que cuida do sistema reprodutor feminino, garantindo a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida da paciente. O ideal é que a primeira consulta com esse profissional ocorra durante a puberdade, especialmente após a primeira menstruação. Dessa forma, o profissional de saúde pode explicar o que é a menstruação, orientar a jovem com relação ao início da vida sexual, tratar sobre a prevenção à gravidez não planejada, falar sobre as formas de evitar doenças sexualmente transmissíveis e tirar qualquer dúvida que possa surgir durante a conversa.

Mas é claro que não é somente nessa fase que esse médico é importante. Na verdade, o ginecologista orienta a mulher durante todas as fases da sua vida, desde a primeira menstruação até depois da menopausa. Ele é o responsável por diagnosticar precocemente doenças como o câncer de colo de útero, o câncer de mama e a endometriose. Lembrando que, quanto antes elas forem detectadas, mais eficazes e menos invasivos são os tratamentos. Mas, mais do que isso, o ginecologista ainda identifica qualquer problema ligado à sexualidade que a mulher possa ter, garantindo que a sua vida sexual seja saudável e prazerosa.

Principais dúvidas que podem ser tratadas durante a consulta

Higiene íntima

Nem sempre as mulheres recebem orientação com relação à higienização da região íntima. Porém, saber cuidar bem da vagina e vulva é a melhor forma de evitar infecções e outros problemas. Sendo assim, você pode perguntar para o seu ginecologista quais produtos utilizar durante o banho, como lavar as peças íntimas e quais os principais cuidados que você deve ter.

Anatomia e outras questões

Você sabia que muitas mulheres não sabem a diferença entre vulva (região externa do aparelho reprodutor) e vagina (parte interna)? A falta de informação é uma das razões para a sexualidade feminina, assim como a menstruação, serem tabus. Por isso, é fundamental tirar todas as suas dúvidas sobre menstruação, TPM (tensão pré-menstrual), cólica, duração dos ciclos, corrimentos e menopausa. Lembre-se que a melhor forma de cuidar do seu corpo é conhecendo ele. 

Fertilidade

Preferencialmente, as mulheres que desejam ter o primeiro filho ou já têm mais de trinta anos e querem engravidar novamente devem abordar esse assunto durante a primeira consulta e não no retorno. Dessa forma, o ginecologista já pode solicitar o exame de sangue e qualquer outra análise para verificar se está tudo bem com os órgãos reprodutivos. Aproveite para perguntar sobre os principais cuidados para quem está tentando engravidar e se há dicas para que a gestação seja o mais saudável possível.

Sexo seguro

Esse tópico envolve principalmente dois assuntos: métodos contraceptivos e doenças sexualmente transmissíveis (DST’s). Primeiramente, verifique com o seu médico se você deve começar a usar algum método contraceptivo e qual é o mais indicado para o seu caso. Pergunte sobre as reações normais, os efeitos colaterais e tire qualquer outra dúvida que possa surgir. Se já utiliza algum deles, também informe o profissional caso sinta algum sintoma anormal.

Já, quando o assunto são as DST’s, não tenha medo de conversar sobre o tema para entender melhor as doenças, os exames que as detectam e as melhores formas de se prevenir. Lembre-se que o profissional não vai julgar sua vida sexual. Pelo contrário, ele vai fazer de tudo para que ela seja saudável e segura.

Quais exames devem ser realizados anualmente?

Não é apenas a consulta com o ginecologista que é indicada uma vez por ano. Alguns exames também devem ser realizados com a mesma frequência, com o objetivo de detectar doenças precocemente. Confira a seguir quais são eles e aproveite para agendar o seu exame aqui.

  • Toque nas mamas: esse exame clínico é realizado durante a consulta com o ginecologista para verificar se existem caroços nos seios e nas axilas, já que esse é o principal sintoma do câncer de mama.
  • Papanicolau: também chamado de preventivo, esse exame é feito em mulheres que já tiveram a primeira relação sexual, para detectar a presença do HPV (Papiloma Vírus Humano). Essa é a principal causa do câncer de colo de útero.
  • Ultrassom pélvico ou transvaginal: dependendo do caso, esse exame pode ser solicitado pelo ginecologista para avaliar a presença de cistos, miomas, tumores, entre outros problemas.
  • Outros: exames, como o de sangue, podem ser solicitados para verificar o colesterol, triglicérides, glicemia e para fazer uma avaliação hormonal completa.

Além dos exames citados acima, existe outro que é fundamental para garantir a saúde da mulher, especialmente após os 40 anos: a mamografia. Essa é a análise clínica mais recomendada pelo Ministério da Saúde para detectar o câncer de mama. Clique aqui para descobrir para quem a mamografia é indicada e com qual frequência ela deve ser realizada.

Atenção! Alguns desses exames não são realizados pela CEDIP. Confira quais exames a Cedip realiza clicando aqui.