Janeiro Branco – temas de saúde mental em evidência

O Janeiro Branco é um movimento que busca construir uma cultura de cuidado com a saúde mental e emocional na humanidade. Essa ação surgiu por iniciativa de psicólogos de Uberlândia (MG), mas atualmente alcançou o Brasil todo.

A campanha aproveita uma época propícia, o começo do ano, quando normalmente as pessoas traçam metas, fazem planos, repensam escolhas de vida e buscam construir uma nova história. Assim, aproveitando esses sentimentos, por que não pensar na própria saúde?

Saúde não existe sem a saúde mental. Esse é um dos dilemas que o Janeiro Branco procura difundir na sociedade. Isso porque, ultimamente, casos de depressão, ansiedade, bipolaridade, estresse e diversas outras doenças mentais, aumentaram significativamente.

E o que seria Saúde Mental?

O conceito de saúde mais usado no mundo é da Organização Mundial da Saúde (OMS), que, já em 1947, estipulava a saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”.

Ou seja, um indivíduo não pode ser considerado saudável se sofrer com problemas relacionados à saúde mental. Acontece que, por muitos anos, as doenças mentais foram estigmatizadas e se tornaram uma espécie de tabu.

Por isso, as pessoas não procuraram – e muitas ainda não procuram – a devida ajuda por medo de sofrerem represálias ou, simplesmente, por preconceito. Por conta disso, a saúde mental se tornou um problema mundial.

Por que devemos nos preocupar com a saúde mental?

Nos últimos anos, aumentou significativamente os casos de doenças relacionadas à saúde mental, e principalmente, os casos de suicídio. De acordo com dados do boletim epidemiológico sobre suicídio, do Ministério da Saúde, esta foi a quarta maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, em 2015, no Brasil.

Entretanto, em 2019, tornou-se a segunda maior causa de morte nesse grupo. De forma geral, o índice de suicídios no país, a cada 100 mil habitantes, aumentou 7% nos últimos seis anos. Muitos fatores levam alguém a tirar a própria vida, mas as doenças mentais são as mais relacionadas, principalmente depressão.

Segundo dados da OMS, os casos de depressão aumentaram em 18% nos últimos dez anos. Para 2020, a entidade estima que a depressão será a doença que mais incapacitará as pessoas em todo o mundo, junto com a ansiedade.

Inclusive, o Brasil estampa o título de país mais ansioso e depressivo de toda a América Latina, conforme estudo da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde). Quase 10% da população sofre com depressão, e 7,5% dos brasileiros lidam com a ansiedade.

Como se isso já não fosse negativo o suficiente, o país concentra um dos maiores números de trabalhadores estressados. A International Stress Management Association (Isma-BR) revelou que, em 2019, 32% dos trabalhadores brasileiros apresentavam um ou mais sinais de estresse.

O que podemos fazer para melhorar nossa saúde mental?

Primeiramente, devemos quebrar o tabu sobre a saúde mental e desconstruir a imagem de que essas patologias são sinais de “frescura” ou “fraqueza”. Ninguém escolhe ter essas doenças, da mesma forma que pessoas com problemas mentais não são “preguiçosas” ou “querem chamar atenção”.

Se uma pessoa quebra o pé, por exemplo, ninguém duvida que ela está com dor e/ou precisa de repouso e tratamento adequado. Por outro lado, se alguém enfrenta um dilema emocional ou situação estressante, não há a mesma preocupação.

No que diz respeito ao que fazer para ter boa saúde mental, a cartilha do Ministério da Saúde traz algumas orientações:

  • Praticar hábitos saudáveis e adotar um estilo de vida de qualidade;
  • Nunca se isolar socialmente;
  • Consultar médicos e demais profissionais da saúde regularmente;
  • Fazer tratamento terapêutico adequado;
  • Reforçar laços familiares e de amizade;
  • Ter alimentação saudável;
  • Procurar ajuda sempre que necessário.

Como procurar ajuda?

A campanha Janeiro Branco busca, também, incentivar o compartilhamento de informações sobre tratamentos e ajuda para melhorar a saúde mental. Além de hábitos diários que visam prevenir o surgimento dessas doenças, é importante buscar ajuda sempre que necessário. A Política Nacional de Saúde Mental, do Governo Federal, foi implantada com esse intuito.

Segundo esse plano de atendimento, as pessoas em situação de crise podem buscar atendimento na  Rede de Atenção Psicossocial, composta por diversas unidades. Os principais atendimentos em saúde mental são realizados nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) que existem em diversas cidades do país.

Provavelmente, você deve ter estipulado, pelo menos, uma meta para 2020. Por exemplo, perder peso, fazer mais atividades físicas, comprar um carro, casar, engravidar, mudar de emprego, reformar a casa, etc. O que acha de incluir melhorar a sua saúde mental como objetivo para este ano?

Fontes: Organização Pan-Americana de Saúde, Ministério da Saúde, Página oficial do Janeiro Branco, Organização Mundial da Saúde, Secretaria de Saúde do Estado do Paraná, Centro de Valorização da Vida