Melanoma

Melanoma

O melanoma é um tipo de câncer de pele e é considerado a lesão maligna mais frequente na população brasileira, correspondendo a cerca de 25% de todos os acometimentos malignos registrados, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

O melanoma possui alto índice de letalidade devido ao seu alto potencial de metástases a órgãos distantes e é percebido inicialmente com um sinal pigmentado incomum na pele ou a partir de uma alteração em um sinal (pinta ou mancha) já existente anteriormente, seja em tamanho, textura ou cor.

Fatores de risco

Qualquer pessoa está sujeita a desenvolver o melanoma e em qualquer momento da vida, no entanto, no Brasil, a incidência está cada vez maior na região sul do país devido à predominância de pessoas caucasianas na população dessa área.

Portanto, pessoas de pele, cabelos e olhos claros são mais suscetíveis, bem como quem já possui muitas pintas espalhadas pelo corpo e tem histórico de câncer de pele na família.

Além desses fatores, a exposição excessiva ao sol é extremamente relevante para o surgimento do melanoma, já que os raios ultravioleta (UV), provenientes do sol ou da luz artificial de câmaras de bronzeamento, por exemplo, são a principal causa desse tipo de tumor na pele.

Sintomas

O primeiro sintoma é a percepção de algo diferente acontecendo na pele por meio do aparecimento ou alteração de alguma mancha.

Uma mancha ou pinta que sangra e coça com frequência também é um sinal de alerta.

Diagnóstico

Para a identificação inicial do câncer, existe o chamado “ABCD do diagnóstico do melanoma”, que corresponde aos indicativos:

Assimetria – uma metade diferente da outra;
Bordas irregulares – contorno mal definido;
Cor variável – várias cores numa mesma lesão: preta, castanha, branca, avermelhada ou azul;
Diâmetro – maior que 6 milímetros.

Posterior a essa primeira avaliação, o médico dermatologista pode complementá-la com o exame de dermatoscopia (que pode ser realizado no próprio consultório médico ou digitalmente). O mapeamento corporal total, a microscopia confocal também são exames que podem ser solicitados.

A biópsia, por sua vez, é um exame que faz uso de remoção cirúrgica e que deve ser realizada quando alguma lesão é suspeita de câncer. É por meio dela que será avaliada a existência de células cancerígenas com um microscópio e possibilitará a certeza do início imediato do tratamento.

Se detectado precocemente, o câncer de pele possui 90% e chances de cura, porém, para isso, a visita periódica ao médico e os exames de rotina são de extrema importância. Além disso, não se expor aos raios UV sem proteção solar (creme protetor de FPS 30 ou acima, óculos escuros e chapéu) são os meios mais indicados para a prevenção.

Fontes: Revista Brasileira de Análises Clínicas, Organização Pan-Americana da Saúde, Instituto Oncoguia, Instituto Nacional de Câncer, Grupo Brasileiro de Melanoma.

Voltar