Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

A Trombocitopenia Imune Primária, também conhecida como Púrpura Trombocitopênica Idiopática, púrpura ou, simplesmente, PTI é uma doença hemorrágica, de origem autoimune que causa redução nas plaquetas do sangue.

De acordo com a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), cerca de 19 mil brasileiros são afetados por essa doença. Sendo mais comum a incidência em crianças e mulheres (73% segundo a Abrale).

Uma doença autoimune acontece quando o mecanismo de defesa do organismo, o sistema imunológico, exagera na função e/ou perde a capacidade de diferenciar agentes nocivos das células do próprio corpo. Sendo assim, passa a atacar o próprio organismo.

Na PTI, o sistema imunológico produz anticorpos contra as próprias plaquetas (parte do sangue responsável pela coagulação). Devido a essa redução de plaquetas, o indivíduo que tem Trombocitopenia Imune Primária sofre com hemorragias. A maioria dos casos é facilmente controlada, mas a doença pode ser fatal.

Fatores de risco

O principal fator de risco para o desenvolvimento de PTI é ser do sexo feminino, já que a doença afeta de duas a três vezes mais as mulheres do que os homens. Crianças também podem desenvolver PTI, mas 80% dos casos de PTI infantil desaparece em até 6 meses.

Sabe-se também que histórico familiar representa um fator de risco para PTI e que infecções virais podem desencadear o processo da doença autoimune. Isso porque o sistema imunológico, ao produzir anticorpos para combater os vírus, pode acabar transferindo essa “informação de combate” para as células do sangue.

Sintomas de PTI:

  • Petéquias (pequenas manchas causadas por hemorragia na pele);
  • Hematomas que aparecem sem que a pessoa perceba;
  • Manchas escuras na pele sem origem identificada;
  • Sangramentos intensos e/ou frequentes que demoram para parar;
  • Presença de sangue nas fezes e/ou urina.

Diagnóstico

O Diagnóstico de PTI, assim como o de qualquer outra patologia, só pode ser realizado por um médico. Caso a pessoa tenha algum dos sintomas, o médico deverá ser consultado, além de algumas perguntas, o profissional solicitará exames para fazer o diagnóstico de PTI.

O nível considerado normal de plaquetas de uma pessoa varia entre 150 mil a 400 mil/mm3. Pessoas com Trombocitopenia Imune Primária possuem um nível de plaquetas inferior a 100.000/mm³. Entretanto, existem casos de indivíduos com quantidades de 30 mil a 40 mil plaquetas sem, necessariamente, sofrer hemorragias ou ter TPI.

Por isso, a importância de realizar outros exames, para averiguar a situação. Pacientes com contagem de plaquetas muito abaixo de 20.000/mm³ requerem uma atenção especial. É importante destacar que a PTI pode ser aguda, mais branda e que desaparece com o tempo, e a crônica, mais intensa e duradoura.

Tratamento

Mesmo com o reduzido índice de plaquetas no sangue, se o paciente não sofrer hemorragias ou tiver sinais disso, nenhum tratamento pode ser necessário. Todavia, esse indivíduo fica em estado de espera vigilante, ou seja, de observação e acompanhamento.

O tratamento de PTI é indicado quando existem situações de hemorragia grave ou se a pessoa precisar passar por alguma cirurgia, pois nesse caso é preciso uma quantidade mínima de plaquetas. As principais opções de tratamento para elevar o número de plaquetas são:

  • Corticosteroides (que inibem a atividade do sistema imunológico por um determinado período de tempo);
  • Imunoglobulina humana (usado em situações graves devido ao rápido tempo de resposta);
  • Esplenectomia (retirada do baço, por meio de cirurgia, uma vez que este órgão é o maior responsável pela produção de anticorpos antiplaquetários. Recomendado em casos constantes de sangramentos);

A melhor forma de se prevenir da Trombocitopenia Imune Primária (PTI) é manter um estilo de vida saudável, praticando exercícios físicos rotineiramente, se alimentando de forma adequada e evitando o consumo de bebidas alcoólicas e tabaco. Dessa forma, o sistema imunológico se torna mais forte e apto a combater as doenças com mais eficácia.

Fonte: Abrale

Voltar