Varicela (Catapora)

A Varicela ou Catapora atinge, sobretudo, crianças

A varicela, popularmente conhecida como catapora, é uma doença infecciosa causada pelo vírus Varicela-Zóster. Entre 2012 e 2017, segundo dados do Ministério da Saúde, foram diagnosticados 602.136 casos de varicela em todo o país, sendo quase 200 mil na região sul.

Embora seja altamente contagiosa, na maioria dos casos a Varicela é benigna e não oferece muitos riscos aos pacientes. A maior parte dos infectados são crianças e por isso requerem extrema atenção e cuidado por parte dos pais.

Fatores de risco

Um dos principais motivos para o grande número de casos é a proliferação do vírus causador desta enfermidade. A catapora é uma doença que se transmite facilmente por meio dos seguintes fatores:

● Contato pelo líquido da bolha
● Tosse
● Espirro
● Saliva
● Objetos contaminados pelos vírus Varicela-Zóster

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), mais de 90% dos adultos são imunes a Varicela, pois já tiveram ela quando crianças. Outro fator relevante é a imunidade adquirida após a cura. Ou seja, quem teve uma vez, não terá catapora novamente.

Sintomas

O primeiro sintoma percebido é a febre. A temperatura corporal de uma pessoa contaminada pode atingir 39,5º. Outros sinais manifestados pela doença são dores de cabeça, mal-estar, cansaço, perda de apetite e febre baixa. Eles podem aparecer entre 10 e 21 dias após a pessoa contrair a catapora.

Porém o mais conhecido sintoma é o surgimento de manchas vermelhas e bolhas no corpo. Inicialmente elas surgem como pequenos pontos vermelhos espalhados e com o passar dos dias começam a se transformar em bolhas, até que estouram. Essa fase é uma das piores, pois as áreas afetadas coçam e geram grande incômodo.

Por mais que seja difícil pedir isso para uma criança, deve-se evitar ao máximo coçar as bolhas. A infecção secundária das lesões é uma das maiores complicações decorridas da varicela, por isso não coce nem cutuque as bolhas formadas.

O ideal é procurar um médico ao notar os primeiros sintomas da doença. Apenas uma avaliação feita por um profissional poderá indicar a gravidade do caso e qual deve ser o tratamento a ser seguido.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por meio de exame de sangue. Os testes sorológicos mais comuns são:

● Ensaio imunoenzimático (ELISA);
● Aglutinação pelo látex (AL);
● Imunofluorescência indireta (IFI)

Prevenção

Desde 2013 o Governo Federal incluiu a vacina tetra viral, que protege contra varicela, caxumba, sarampo e rubéola, na rotina de crianças que já tenham sido vacinadas com a tríplice viral (que não contém proteção contra o sarampo).

É importante ressaltar que o SUS oferece essa dose apenas para quem possui indicação de necessidade, ou seja, não faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

Tratamento

Em geral são utilizados analgésicos e antitérmicos (para combater a dor de cabeça) e antialérgicos (alívio da coceira). Os demais cuidados devem ser: higiene nas regiões afetadas (água e sabão), unhas bem cortadas (para evitar descascar as bolhas e facilitar a cicatrização) e compressas de água fria para diminuir a irritação provocada pela coceira.

O Ministério da Saúde recomenda que o tratamento específico para casos de catapora que possam ser agravados sejam indicados apenas por médicos. Em situações específicas podem ser ministradas doses de antiviral indicado para tratamento de mucosas.

Fontes: Sociedade Brasileira de Imunizações, Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Ministério da Saúde.

Voltar